quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

Esta é a Sua Única Vida

Em relação aos sonhos alheios, me sinto instigado a entoar sobre a melodia da perda. É o que me atormenta ao comprovar como as pessoas deixam facilmente seus sonhos de lado à medida que crescem. E crescer em uma cidade conservadora do interior, onde as pessoas são formadas como arquétipos da sociedade tradicional, pessoas que passam a vida toda se enganando com a felicidade ressentida, jamais sentida; pessoas que se casam por pressão e que se graduam num curso que a família tenha decidido, é dissimulação exacerbada. Tem gente que passa a vida toda vivendo pelos outros, e se perdem. Fingimento esse que faz parte do currículo habitacional de qualquer cidadão deste mundo. Mas não para alguns. Existem os que nasceram para mudar a ordem, que são completamente diferentes dos meios em que foram criados. Aqueles que até chegaram a pensar em desistir, mas que lutaram, perseveraram, não ligaram para o que a vizinha ou o pedestre pensava enquanto se encaminhava em direção aos seus sonhos, felizes.

Francamente, eu não ligo em nada para o que pensam quando eu estou na rua caminhando e entoando melodias, entenda: cantando. Mas como disse, eu não sou o fruto do meio em que fui criado. Na verdade, até meus familiares sabem que eu não sou como eles. Não faço o tipo de pessoa que irá engravidar a amiga do colegial ou morar na casa dos pais até que se case. Não sou e não quero isso pra mim. Arriscar-me-ei em buscar do que Deus quis para mim enquanto me criava, conforme tua imagem e semelhança. Eu vou sair por esse mundo, confiarei e acreditarei no meu Criador e comerei o melhor desta terra. Para alguns estou sendo clichê quando cito Deus em minhas palavras, mas afinal, eu não ligo. E você devia saber que ele existe e que ele quem me faz tão feliz e sonhador.

Às vezes concluo que a sociedade e a família pressionam as pessoas a buscarem algo mais sólido para suas vidas futuras. Que proclamam que os concursos federais são blábláblá e tudo aquilo que pode te deixar preso num lugar, fazendo o trabalho burocrático para construir sua vidinha padronizada. E eu, um cara de quinze anos, não quero que me vejam como o rebelde. Não quero que acreditem que isso tudo que se passa pela minha cabeça faz parte de alguma fase que vivo, talvez da adolescência. Porque eu tenho plena consciência do que existe nesse mundo e sei que vida, eu só terei essa. Não vou querer passar anos da minha vida em vão, me divertindo em festas ou saindo com amigos para o barzinho. Não quero e não vou transar com quem eu não ame e não me case. Não vou ser a tendência do momento e nem desistir do chamado que Deus tem pra mim. Não vou culpar ao Diabo por tudo aquilo que eu não conseguir, mas vou lutar até provar que foi Deus, O Altíssimo quem me possibilitou chegar até lá. Não importa o quanto há pessoas ruins espalhadas por esse mundo, eu sou a diferença e sei que não estou sozinho. Pois afinal, não vou cair na ilusão de acreditar que posso mudar todo o mundo, apenas sei que as pessoas loucas o bastante para acreditar que podem mudar o mundo, são as que realmente o mudam.

Recomendo:
Nunca Desista dos Seus Sonhos – Augusto Cury
A Lição Final – Randy Pausch

"Porque as pessoas loucas o bastante para acreditar que podem mudar o mundo, são as que o mudam." - Jack Kerouac

4 comentários:

Leo Pinheiro disse...

Mesmo estando por lá... (não revelo o quanto! rs)

Repito aquela velha frase: Não confie em quem tem + de 30 anos!

Sonhos não deveriam envelhecere, mas...

São como os homens!

Renan Proença disse...

Ser adulto não é lá grande coisa. Veja bem, to com 20 anos, parece que foi ontem que tive tua idade. Claro que amadureci e aprendi um montão de coisas que não teria aprendido se não tivesse as vivenciado, mas eu tenho a impressão que quando crescemos, continuamos os mesmos, apenas crescidos. Muitos dos sonhos que eu tinha quando adolescente, acabei realizando e tem muitos outros dos quais ainda não desisti. Enfim... você escreve muito bem, até me assustei quando li 15 anos rsrs

Aprendi tb que a diferença, nós fazemos ao nosso redor. O modo como tratamos as pessoas e respondemos ao que nos acontece.

Abs.

Renata Menezes. disse...

Olá, Igor (ou Sonebald), eu estava olhando os seguidores do meu blog e vi que você está entre eles. Vim até aqui agradecer e dizer que seu blog é lindo.

Alessandra Zelinda Bessa disse...

É...Bacana seu texto ...tbm concordo com o q vc disse..Acho que é necessário termos mente aberta para enxergar o mundo de maneira mais natural e não se prender a regras que os próprios homens fazem e que n enxergam que atravez delas nos tornamos ainda mais infelizes...
Vc devia visitar meu blogger escrevi um texto q tem muito a ver com o seu ..."A embriagueis dos seres humanos" té mais

http://bessaforbidden.blogspot.com/