sábado, 10 de janeiro de 2009

O Encontro

 A luta não havia se cessado, a melancolia podia restar, e ainda assim havia algo que preenchera parte daquele olhar caído. E ocupara sua mente eloqüente. Sem nem perceber seu modo de agir já era outro. Tudo se movia e ele permanecia leve. Continuava convivendo naturalmente com as pessoas ao redor, tinha uma vida sociável. Nada parecia ter mudado. Tinha tudo enquanto abrira a porta de casa. Naquela tarde, entrara alguém que jamais sairia da mesma maneira que entrara. Enquanto trancava a porta, já não tinha mais nada. Não queria mais, não era feliz. Decidira recomeçar. Poderia de fato, deixar tudo para trás, mas iria atrás daquilo que lhe fizera feliz ao menos por um instante em toda sua vida. Escolhera mudar o caminho, escolhera tentar de outra forma, escolhera a melhor escolha. Sabia que deixara pra trás um mundo que o havia acolhido, sabia que não poderia voltar. Seria tarde. As apostas estavam encerradas. E sua vida é que estava em jogo. Partiria para nunca mais voltar a estar lá, ou a ser quem fora. Estaria até o fim de seus dias aprisionado ao que tinha decidido para si, e se fossemos ver, isso nada a ver tem com aprisionamento, mas soa essencialmente como liberdade. Agora ele era livre, para ir e vir aonde fosse. Ser e não ser. Estar e não permanecer. E ainda que conseguisse se sobressair em teu intento, aventurar-se-ia até descobrir de fato o que seria a tal da felicidade. Afinal, não habitava em si o medo de tentar. Habitava em si apenas o medo de permanecer. E conseguira...

6 comentários:

Sonebald disse...

E suas ultimas palavras deixadas foram estas: “Eu encontrei Deus. Sinto isso como sei que jamais pude sentir algo parecido. Ele me chama ao teu Encontro.”

Lara Monteiro disse...

Gostei, me lembrei de um livro que li de Fernando Sabino - "O encontro marcado"

Renilson disse...

'

Gosteii Muitoo doo TExto.'
Bastaante interessante.'.

Taaa MAraÂ! ^^

http://entreeuvoce.blogspot.com/
Visite voce tbm. ;)

goldeplacaec disse...

eu que nao gosto muito de ler textos desse tipo.. mais desse seu eu gostei
parabens..

vlw abraços..

http://goldeplacaec.blogspot.com/

Rodrigo disse...

Parabens, esse realmente é um texto complicado de ler...quem dirá escrever...e vc faz isso muito bem! parabens!
abraço

Bárbara (B.) disse...

Não há como saber se a escolha que tomamos é realmente a melhor. Afinal, não temos uma segunda vida para voltar atrás, escolher o outro caminho e depois, só depois, ponderar qual teria nos feito o bem verdadeiro.

É o que temos que fazer, então, talvez, seja melhor chamá-lo mesmo de melhor.

Beijo meu.