sábado, 20 de dezembro de 2008

Em Antecipação ao Meu Disfarce

Para você


Sabe, um dia você acorda e se encontra consigo mesmo. Enquanto faz sua refeição matinal vê seu corpo, sua alma, sua vida. Todas ali, dispersas, mascaradas, dissimulantes. Então você nota a sua alma em antecipação e o que você sente não é nada agradável. Nada que tenha comparação a uma manhã de sol. O que você não consegue sentir é o que no fundo da sua alma habita. Aos poucos você reconhece... Seu coração começa a se despedaçar. Seu corpo estremece. Sua vida pulsa mais forte. Sua alma reluta em pranto...


 Se você estiver lendo esse texto, então sua alma te avisará se for para você. E o que eu espero em relação a isso? Eu espero que quando você terminar de ler isto, você compreenda que tudo o que eu fiz até aqui sobre nós foi porque de fato eu sabia que de nada adiantaria eu permanecer no holocausto das minhas piores melodias. Não que eu estivesse esperando em retribuição: o seu ódio, mas que jamais repetisse o mesmo erro novamente. Talvez o erro tenha sido meu. Porque eu devia saber o momento exato de parar com essa história. E talvez o erro também tenha sido seu, porque mesmo você sabendo, nem chegou a tentar me parar. Não que eu quisesse te tirar dos meus sonhos, mas me faltava força para chegar a uma conclusão mais próxima disto. Você podia ter tido compaixão, mas quis que eu te visse ao lado de qualquer outra alma. Qualquer uma que não fosse a minha. Não que eu não suportasse lembrar, encarar o medo, ir à rua e te pedir um abraço, mas eu sentia como se tudo fosse despedaçar no final. E você era parte íntegra desse meu despedaço.
 Esta não é a melodia do medo, nem a melodia da falta, nem qualquer outra melodia. O que eu sinto passa longe dos meus ouvidos e o timbre entoado é silencioso, mesmo mordaz. A sensação que tenho é que o sentimento mais puro que havia em mim já não é mais tão intocável. Sinto como se eu tivesse sido imprudente em deixar me entorpecer assim. Sinto como se já não adiantasse disfarçar, eu te sinto como uma maldição que me atordoa e que me restringe a sonhar somente contigo. Eu, eu, eu, não sei mais o que sinto em relação à você. Medo? Falta? Talvez nesse momento, somente o teu silêncio.

6 comentários:

Liipee disse...

confesso que nem li brother..
e por mim eu tinha comentado..
desculpa ae e não dou calote, pago em dias viu?
:x
abraço !

Dree disse...

Confesso que cheguei a me emocionar com o post. Parabéns, você escreve muito! E curti o que você escreveu no perfil: ''Se quiser se lamentar pelo que for, a dor será somente sua e de mais ninguém.'' A dor sempre é de si próprio quando se lamenta.
Beijos.

Si; disse...

'Sinto como se eu tivesse sido imprudente em deixar me entorpecer assim.'

Incrível como já me senti assim... e como encontrar o amor novamente [desta vez seria ele realmente o verdadeiro?] faz tudo isso passar.
Já tinha até esquecido...

Adorei seus textos. :)

bookstealer.blogspot.com

Ananda Virginia Sgrancio disse...

se eu ti falar que esse texto fala em sua maior parte o que eu sinto ou ja sentir, vc iria acreditar?

tlvz nao.
mas nao importa.

amei² o seu post.

'Só o dono da dor sabe como dói'


sucesoo !

http://anandavs.blogspot.com/

Guerreiras Vencedoras disse...

muito legal
emocionante
voltaremos

Rodrigo disse...

Meu Deus... nunca senti isso que senti ao ler seu texto!
Muito bom, passou varias coisas em minha mente enquanto lia palavra apos palavra... me emocionou muito!
ta de parabens!
virei fã ja! ':D